EnglishPortugueseSpanish

Imunidade Tributária das Empresas Públicas e das Sociedades de Economia Mista

Início » Blog » Autores » Harrison Leite » Imunidade Tributária das Empresas Públicas e das Sociedades de Economia Mista
a

A Constituição Federal prevê que alguns impostos não podem incidir sobre a Administração Direta (União, Estados, DF e Municípios) e a Administração Indireta (Autarquias e Fundações Públicas). À essa não incidência, chamamos Imunidade Tributária. Sendo assim, o Município não paga IPVA sobre os seus veículos, o Estado não paga IPTU sobre os seus imóveis e a União não paga ISS sobre os serviços prestados. Outros exemplos poderiam ser somados a esses.
Pela redação constitucional, esse benefício não poderia ser estendido para as Empresas Públicas e Sociedades de Economia Mistas, pois, além da sua natureza privada, praticam atividade econômica e auferem lucros. Conceder-lhes benefícios seria violar a livre concorrência e a isonomia tributária.
No entanto, em virtude de situações específicas, o Supremo Tribunal Federal tem alargado a aplicação das imunidades para essas empresas privadas, desde que apresentem alguns requisitos. O primeiro caso foi o dos Correios. Ainda em 2004 o STF estendeu imunidade a essa empresa pública sob alegação de que ela é prestadora de serviço público de prestação obrigatória e exclusiva do Estado (RE 407.099/2004). Portanto, não feria a concorrência dar-lhe imunidade.

Diferentemente, num caso de empresa pública prestadora de serviço em que havia concorrência, a imunidade não lhe foi estendida. Trata-se do MTI, empresa Mato-grossense de Tecnologia e Informação (ACO 3307). À EMBASA, sociedade de economia mista, também tem havido o reconhecimento do seu direito à imunidade. Diversas as decisões do TJ/BA nesse sentido (APL: 07942617320158050001). Outras empresas de saneamento, como a DESO, de Sergipe, em situações de igualdade, obtêm o direito de não pagamento dos impostos pela imunidade recíproca (AC) 3410). Diferentemente, empresas de Saneamento que obtêm lucros e os divide com os investidores não possuem direito à imunidade, como se deu com a SABESP (RE 600.867).

Em recente solução de consulta (COSIT n. 33, de 29 de agosto de 2022), a Receita Federal do Brasil reconheceu a imunidade recíproca das sociedades de economia mista desde que presentes os três requisitos constitucionais:

(i) prestação de serviço público essencial;

(ii) não distribuição de lucros a acionistas privados;

e (iii) não atuar em ambiente concorrencial.

Portanto, se o seu Município possui alguma Sociedade de Economia Mista ou Empresa Pública (EMASA em Itabuna é um exemplo) que preenche os requisitos acima, poderá pleitear judicialmente a imunidade e obtê-la, inclusive de modo retroativo, dado que a decisão que reconhece a imunidade é declaratória e não constitutiva; é dizer, produz efeitos retroativos (RESP 1816391, STJ).

Harrison Leite, Advogado e Doutor em Direito Tributário

Eleição Biênio 2023-2024

Nesta quinta-feira, 22, na sede do Consórcio de Desenvolvimento Sustentável Território Litoral Sul (CDS-LS), ocorreu a eleição para Presidência e Diretoria para ou biênio 2023-2024

Leia mais >

DUE DILIGENCE IMOBILIÁRIA

O Termo   “due diligence”, oriundo do idioma inglês, se traduzido “ipse literis”, significa “diligência devida”, isto é, procedimento que busca levantar informações sobre determinada situação.

Leia mais >

Assine nossa newsletter

© 2022 Harrison Leite Advogados Associados | CNPJ: 19.170.602/0001-15 | Todos direitos reservados