AUSÊNCIA DE PAGAMENTO DE FÉRIAS ANTES DO PERÍODO DE GOZO NÃO GERA A OBRIGAÇÃO DE PAGAMENTO EM DOBRO – ADPF Nº 501 – STF.

Início » Blog » Autores » Rafaella Pacheco » AUSÊNCIA DE PAGAMENTO DE FÉRIAS ANTES DO PERÍODO DE GOZO NÃO GERA A OBRIGAÇÃO DE PAGAMENTO EM DOBRO – ADPF Nº 501 – STF.

Dizia a Súmula 450 do Tribunal Superior do Trabalho que o atraso no pagamento das férias confere ao empregado o direito de recebê-las de forma dobrada, ainda que a fruição do período de descanso tenha ocorrido no período legal. No entanto, em 08 de agosto de 2022 o STF julgou procedente a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamenta nº 501 para (a) declarar a
inconstitucionalidade da Súmula 450 do Tribunal Superior do Trabalho e (b) invalidar decisões judiciais não transitadas em julgado que, amparadas no texto sumular, tenham aplicado a sanção de pagamento em dobro com base no art. 137 da CLT.

A súmula 450 aplicava, por analogia, a sanção do art. 137 da CLT prevista para os casos de concessão de férias de forma extemporânea, passando a penalizar o empregador que efetua o pagamento das férias fora do prazo legal (até dois dias antes do início do respectivo período). Com essa súmula, o empregador era penalizado pela inadimplência de uma obrigação (pagar as férias) com a sanção prevista para o descumprimento de outra obrigação (conceder as férias), uma vez que ambas revelavam-se
indispensáveis para a efetiva fruição do afastamento do empregado.

A partir dessa decisão, todos os empregadores que foram condenados ao pagamento de férias em dobro com base na súmula 450 do TST, em processos em curso, podem ter a decisão revertida pelos Tribunais Superiores do Trabalho.

Rafaella Giovanna Batista Pimentel Pacheco, advogada especialista em direito do trabalho pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

DO BENEFÍCIO POR INCAPACIDADE TEMPORÁRIA

Um dos benefícios previdenciários mais recorrentes entre os trabalhadores brasileiros é o benefício por incapacidade temporária, antigamente designado pela expressão “auxílio-doença”. À primeira vista, a

Leia mais >

Assine nossa newsletter

© 2022 Harrison Leite Advogados Associados | CNPJ: 19.170.602/0001-15 | Todos direitos reservados